terça-feira, 30 de abril de 2013

Por favor, obrigado por não me darem parabéns

5.5 biturbo alemão.
A Mercedes benze. 
Se eu compartilhar todos os compartilhamentos dos meus amigos vou criar um suco cítrico que vai bobar no inverno.
Mas sei que aqueles que são amigos ligam logo cedo rindo do meu aniversário e mesmo aqueles que não ligaram ou outros que se pretendem ser ou não ser um bom presente seria ir sem precisar de passaporte mas mesmo com passaporte três pedrinhas de gelo deixo-me derreter nesta urina nado peixe completamente fora do meu aquário e se água virar deixo molhar o tapete como gostam de andar no mar de terno completo se fosse comigo nadaria nu depois vestia tudo questão de saber fazer o exercício bem feito e uma volta à calma com vigor ou quando me atirei botei tudo à perder e senti a chuva tomar conta do meu ser desconhecendo a enxurrada o bueiro os ratos e os dejetos os homens eretos ou os de joelhos eu ali só com frio molhado mas ainda eu nunca me tiraram nada quando recuperei o pai em janeiro em abril ele já estava morto mesmo que a matemática explicasse o porquê de num primeiro instante ele ficar comigo 3 anos e tal e no fim 3 meses e tal talvez o exercício da falta tenha sido o resultado da saída não sei como foi pra ele o primeiro instante mas o segundo pra mim foi de muita doação e compreensão alegria tristeza interrogação fomos dois puta-caras naquele São Paulo 79.
O tempo? Nunca foi desculpa. Destino? De quem? Ninguém foi eficiente em me fazer decorar a cartilha só não erro na tabuada de multiplicação por ainda saber somar, diminuir...  
      

segunda-feira, 29 de abril de 2013

A branca atenção do meu cão

Ninguém aqui também nunca vai ter nada com isto na Grécia já sabiam o tosco presente até no erudito ainda é potente o suficiente para morrer enforcado no Vermelho e o Negro num crime de um padre qualquer que amaram ou não ou andar pelas árvores procurando a sua Ligeira se eu tivesse que dizer ao deputado falastrão sobre o seu frágil posicionamento talvez eu lhe disse boa noite seco e já atendendo outro transeunte com um pouco mais de zelo: Sim!?!  Pois não! É por aqui! A voz do ator arrasta outros personagens da mesma linha de outrora mas achei legal curti pela coragem de dizer estamos mesmo precisando cada vez mais daqueles que dizem sem receio mas a cartilha também é necessária e deve ser respeitada afinal o cara dizem está falando por alguém quando alguém falou por mim segurou a onda me disperso deixa eu cobrir todo o posto vou pegar uma "Perdiz" antes da rendição quem sabe uma "Anta" ou um "Capivara" para uma partida de xadrez ...

Ainda não encontrei o guiador certo para a minha Roll Rare 8

Com o tato fiz minha primeira analogia.
O quê ficou do estudo das entranhas da mãe? O medo de escuro é medo de voltar pro ventre? Tateiem no quarto à noite até o banheiro sem ligar a luz & mijem!
Estamos sempre precisando dar uma boa mijada à lá Lobato!
Aquele que ampliou suas comparações do olfato desde o primeiro cheiro poderá se livrar da analogia entre fedido & escuro?
Entrar-Sair.
Pronto, estou querendo lamber o sabor!
Quantas mordidas a língua agüenta? 
O olho o som, som bom, pode fechar os olhos.
Intuição pode ser comparações sutis...
E quando compara este com aquele usando ao mesmo tempo todos os sentidos sem dar curto-circuito chega na melhor equação?
A madeira de lei recebe-me nu!
O significado de cabelo no vento do doutor palestrante pode ser diferente do significante andarilho ou o verso é apenas vice e a cátedra presidente prudente pedi pra dar uma volta no interior paulista que tal Pedreiras com Klaus Poloni?


  

domingo, 28 de abril de 2013

No apartamento dos meus cães

Maior mais intenso sem dor prazer sem interrupção o umbigo pulsa fundo só o meu sistema nervoso em ritmo médio de treinamento domingo de garage sale meu computador rejeita o arquivo de densidade neutra antes tinha perdido a chave do carro no paletó de tentativa de saída ontem à noite parece que os objetos novos não estão fazendo direito mas estou descansado sei que pra continuar dizendo qualquer coisa serve de suporte vocês já desenharam com a lua hoje eu desenhei com o sol e ainda encontrei canetas coloridas japonesas( eu fui comprar alemã, mas voltei com japonesa, era pra desenhar na tela, estou desenhando na lente) de quebra ainda dei com Palatnik.

Já tem material demais eu preciso é organizar posso sugerir um filtro para pequenas lentes também sabe aqueles papeis transparentes escritos até coloridos translúcidos pois é corta do tamanho da frente da sua lente e experimente uma gotinha de água serve de cola corte vários mude conforme a cena brinquem com filtros irmãos:

Depois, qualquer lugar é cama

O texto nas nossas realidades nas nossas emoções nossos textos objetos emoções para o real é indispensável saber ir ao banheiro quando te surpreendem com violência expondo suas fragilidades muito boa palavra pra rimar com real li idade em que estágio estou em relação ao outro o caminho da minha toca tem menos predadores sei da melhor caça?pescando no poço do vizinho enquanto ele foi buscar mais uma o sujeito pra te enfiar clichê não precisa nem de ler eu poderia ter falado da sua grosseria comigo no bar mas que fazia eu uma hora daquela num lugar onde eu só conhecia um? Moulin Rouge.
A transformação começa muito antes de entrar você se vestiu assim vai sentar assado e pedir um rabo de galo daí então quando as primeiras cercas começarem a cair qualquer assunto que rolar pode ser motivo de aproximação ou mudança de personagem com relação a defesa ou um risco calculado aí me dá mais um traçado!Palatnik me faz querer me organizar.quando rompe uma das últimas cercas o palco a platéia o diretor qualquer um pode te servir um tira-gosto...vou fazer a próxima naquele tabuleiro de xadrez!


  

sábado, 27 de abril de 2013

ZERADO

 Vovó costurava minha nega costura aprendi costurar cedo enrolar linhas em latas, carretilhas, mas a vontade de amarrar a paisagem foi sempre maior recebi hoje de manhã a má notícia da morte do meu Amigo Elival de moto na estrada, seria a sua BMW que ele comprou batida e recuperou com peças originais? Espero que sim meu pois sei como é o prazer de estar na estrada sobre duas rodas de uma grande máquina sei da sua paixão pelas duas rodas que só pude compartilhar na bicicleta lado à lado pedalamos no parque da cidade e ainda outro dia estava eu aqui da rede te chamando pra pedalar dispensei sua carona quando descias de Taguatinga passando pelo Núcleo Bandeirante e você riu e entendeu meu medo e sem capacete também né peguei o Alaor mas saí no seu fusca branco numa noite no Guará na 2 te levei no meu barraco tu fostes um grande colega de trabalho bebemos muito na praça do D.I tu ainda me deixou na Candangolândia ainda bebemos mais na Barraca do Betinho atras do Guraparí quando o Morais me comunicou logo depois que lhe mandei meu escrito só consegui falar que merda que merda e me prontifiquei para qualquer coisa não fui naquele casamento seu que você não foi agora espero que você também possa faltar nesta última cerimônia é o que consigo dizer sei que você ficaria vermelho e daria risada desta minha saída...

       

Vamos quebrar este studium?

Sabemos quando lidamos com o não ser.
Que tal esta jaula para as flôres do outro?
É tão cheio disto aquilo que posso me levantar e entrar um pouco lá depois voltar aqui!
Doutor, a flor quer roubar a cor?
Quem colocou o elétron no andador?
A matéria foi pigarreada em qual garganta?
Se sóis fossem flôres o ô ficava na sombra ou a sombra saiu?
Pequenos fios de céus mais lavados pretendem cercar a paisagem.
Eu até estava vendo ontem o filme do Olimpo mas quando um cortou a própria língua o Deus do sono me chamou, fui ficar com as imagens.
Conheço pessoas que são versadas em deixas, falam pouco, de acordo com o falado, procurando passar um ar de segurança com relação ao saber.
Estou procurando não morder, mas deixas...
Ainda tenho um lado intocável!
Preciso ir na casa das artes comprar mais canetas alemãs.        

sexta-feira, 26 de abril de 2013

Este muro reflete parte da cidade

Quando me incendeiam as palavras, suas nuvens brancas passam, seus céus azuis marcam, e o sol vai iluminar do outro lado, deixando-me no escuro com meus outros eus, testando todos os músculos na subida.
Este espelho mandou-me fazer.
Em uma hora e meia nós três colocamos a conversa em dia.
Quiseram me amedrontar com o colóquio.
Quando descobre-se a extensão do clichê o medo é só mais um.
Pensaram-se modernos por dizer coca-cola.
Quiseram ser terríveis adotando um corvo.
Quando usaram drogas pensaram que era a droga o barato sem saberem das substâncias fabricadas pelo próprio corpo.
O belo pois fogo no meu ser sem fumaça sem decomposição.
É do mais fundo da minha negação que retiro o humano em mim!
As palavras que possam te magoar não saem mais da minha boca com este fim.
 

_O do sabor, 2!

Aparecem uns que somem outros que nem nos lembramos mais como apareceram ficam tem aqueles que despejam qualquer coisa dos outros e outros que se escondem em outras ciladas lá em casa desde que me entendo por gente tudo era discutido sem muitas amarras ( a casa do Maestro Diomar Simão Vieira) quando chegaram os festivais mesmo crianças justificávamos nossas preferências comparando com isto e aquilo todos os elementos de um grande romance sempre fizeram parte da minha vida acho mesmo que nunca separei esta das dos livros da voz das imagens a diferença pode até ser sentida no instante mas depois só conversa lembranças repetições acho até que o livro é mais verdadeiro pois foi o que me prendeu mais tempo estive mais com os livros que no serviço estive mais com eles do que com as pessoas e não me imaginem só lendo livros que não foi assim li de tudo mas estar me entregar por completo sem nenhum medo de ser descoberto foram mais com os livros ali nem um botão desligava nem um aplicativo enlouquecia nem uma bateria acabava e mesmo quando não tinha energia elétrica liguei velas e outros fogos e li na penumbra melhor ainda quando fui procurar emprego pra casar já sabia o quê era o emprego sabia que aquilo era só mais uma formalidade que eu precisava cumprir para que me deixassem quieto lendo num canto eu nunca servi para nada mesmo o outro ainda se gaba de servir para a poesia nem para isto sirvo vim apenas cumprindo determinadas regras morrendo de medo da realidade das instituições e seus mandos todos os mandos tão nojentos quanto meu mando neste meu mandato de enquadramento pessoal quando você envelhece com o sei ídolo e percebe todos os erros de pontaria de munição de alvo de arma de guerra de competição de tempo de espaço restam os quietos e calados livros que se alguém deixar você vai poder sentar num canto e tentar de novo sair...  

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Esta máscara, este horizonte...

Eu não posso sugerir o meu caminho.
Quando subíamos pra jogar sinuca à noite no Jardim Helena bolas azuis contra bolas vermelhas pedíamos dois fogos-paulista com gin a temperatura ideal nesta época ainda não tinha o rapé minha concentração era toda no movimento geral!
Quando íamos falar com seu lobo bem do lado direito da ponte sobre o Tietê na parte mais baixa bem na margem do rio no escuro de cá São Miguel de lá Bairro dos Pimentas acima das nossas cabeças a fábrica de pólvora & nitroglicerina tudo sobre controle no papel de pão...
Quando o caminho da bica antes do Guarazinho era nossa praia focinho de Quatí cozido na lata preparado por Pedão virava tira-gosto de cachaça.
Quando a fuga do normal era subir a serra de Brasilândia de Minas para tomar banho na água que a cidade iria beber.
Quando a diversão maior era pedalar na areia de Rio das Ostras.
Quando ficar vendo tv preto & branco até fechar os canais depois estar às 7h na escola não era proibido.
Quando vou falar dos meus quandos eles são perfeitamente justificáveis.

A rede deixou todas as folhas soltas por aqui, será que alguém montará livros com elas?


Meu cavalo-marinho tentando abrir este registro d'água

Gosto de Times maior.
Nossas delícias escondem venenos.
Quantos tipos de pó branco matam, talco, açúcar, leite em pó, farinha beneficiada, "arroz limpo", cocaína, e ?
Manda pelo menos um arroz integral!
O homem saudável destruiria a natureza mais rapidamente, ou no processo de decomposição da natureza o homem é apenas uma enzima?
Qual grande pensador fez uma grande população?
Todos aqueles pequenos papeis coloridos distribuídos nos baús nas paradas jogados nas ruas de mão em mão colados nos postes muros e paredes  não me fazem lembrar mais o nome da vidente seria com Z?
Mas, o que ela leu de mão, quantas vezes li aquela propaganda procurando letras que não estavam grafadas?
Acho que meu amigo Belga me recomendou calma.
Um amigo Mineiro me achou frio em Inglês.
Outro ainda me disse bom sem as gorduras.
Dizem que o enterro do Poeta Pezão foi mais doido que o do Pingo.

Minha mãe também queria um enterro doido mas o máximo que consegui fazer foi perguntar para um que estava vestido de pára-quedista(dizendo que iria orar)
se era ele que iria conduzir a nave para outro planeta!



    

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Eis o fio da minha meada

Nenhuma confissão é possível!
Aquilo que você diz ser nobre não é nobre nem enquanto você diz!
Meu discurso é apenas um encontro com as idéias!
Não lhes trago nenhuma notícia!
Quando fui apresentado ao vôlei já havia jogado tendo os quintais de casas geminadas como quadra e muro como rede!
Me enquadrei no zero da escrita, gostei da moldura!
Se me preocupasse em medir meu verso acho que o espelho não se recusaria...
Sempre pensei que uma boa resposta atenderia um grande desejo.
Falar de todas as nossas impossibilidades já sabidas sempre deu ibope! 
Eu ficaria muito bem com os meus textos se eles respondessem tudo que ouço todos os dias!
Precisamos ser mais loucos que regradores!
Aquilo que realmente o artista faz pouquíssimos conseguem ver!
O discurso da rua é café com leite!
O balé das calçadas não tem apenas um diretor!
Hoje encontrei o Sílvio da Pão Dourado ele vai e volta de bicicleta de segunda à sábado 40 minutos na ida e 40 minutos na volta até o Bosque em São Sebastião ele faz questão de subir a oito por cento falou que não gosta da paralela das Mansões Dom Bosco disse ter muito quebra mola e ser mais inclinada na vinda ele também tem uma longa subida para sair de São Sebastião...
Só um grupo de uma mesma linguagem nunca me sustentou!
Mas, enquanto o entregador me mostrava o produto com suas palavras treinadas minha Pretinha interrompeu, dizendo-lhe: "menino tem uma borboleta nas suas costas!". 



      

Escondo a cena com lã azul

Vamos experimentar outro tipo pra dizer a mesma coisa vi os caras de caminhonetes japonesas no deserto levando os cães dos tuaregues AZAWAKH`s para correr atras de um veadinho soltam seus cães de uma mesma linha enquanto outro bem distante solta o antílope a poeira levanta e o serviço de câmera é uma merda em movimento dentro das caminhonetes tudo balança os loucos com suas longas túnicas e turbantes nas cabeças gritam com seus cães que filmados por cima perdem a majestade longelínea e ficam parecendo qualquer cachorro correndo apesar do gesto grotesco faltou mesmo foi um bom câmera-man para sabermos mais de toda a movimentação acho que até uma câmera fixa em um das cachorros ficaria melhor ou quem sabe até uma dentro do cu da caça com a lente de fora é claro e sem rabo ou levantado se alguém que ler isto conhecer um destes que apostam em seus cães corredores no deserto por favor transmita a possibilidade.
    

terça-feira, 23 de abril de 2013

Vou dar mais linha

O homem comum diante de qualquer possibilidade de gozo evita o desconhecido.
Trabalho todos temos o tempo todo vocês com suas facilidades & nós com nossas dificuldades.
Para te convencer da minha ajuda costumo doar até aquilo que não tenho.
Agora por exemplo este texto não quer ser tecido a agulha fura o meu dedo mas alcança uma outra perna de linha.
Passo por dentro laço e eu e ela vamos buscar outra ponta deixando o nó pro final.
Use este trapinho pra limpar nossa miséria mostrada ao mundo por Portinari!
Falam da nossa preguiça mas como então explicar um que foi chamado de preguiçoso trabalhar tanto mesmo depois de aposentado?
O Brasileiro tem a língua solta!
Quando levanto e tomo um banho retirando todo o peso das costas posso me vestir de qualquer coisa e entrar e sair de qualquer lugar mostrando a imagem que todos ali queriam ver naquele momento.
Mas, não basta!
Então a agulha já está sobrepondo.
A pele quer ficar resistente.
Já serve de bolso.
Costure-a por dentro de seu paletó.

Aqui é assim


Também


Mais Daqui!


Não É?


Aqui Também


Ainda


Mais Um Pouquinho


Outra Parte


Meus Pedaços


As Pernas Dela


Minha Hooligan


O Pretinho Dela


Minha Pretinha


segunda-feira, 22 de abril de 2013

Deixo sair sem autorização!

Aquilo que mais existe hoje é o autorizado.
Ele se apresenta já dizendo que foi autorizado. 
E se vangloria disto mostrando ser autorizado.
Muitos mal ditos ontem hoje são autorizados.
O cara chega e vai logo mostrando a autorização.
Sempre tive muita preguiça de pegar a autorização.
Eu vou precisar ler o seu pra pegar a autorização?
Quando se suprime o próprio ninguém autoriza?
Um pedaço das minhas frases sempre é autorizado.
Aqueles pedaços que ficaram dentro autorizaram.
E já que o assunto aqui é frase, aquele que te autorizou é tão genial quanto você? 

Esta imagem é tranqüila ?

O mais comum é fazer um esforço depois viver daquele esforço?
Ou, o homem comum conquista e goza?
Quem sabe se empenhar bastante depois ficar mostrando o resto do tempo o resultado do empenho?
Até guardar para mostrar?
Guardar para ter escondido quando precisar?
Não é aquele mesmo animal que estoca para não passar necessidade?
Necessidade de objetos fora do uso?
Diferentes homens querendo ser homens idealizados através de uma imagem que só se conhece parte?
Se eu fosse Joyce teria bebido menos absinto?
Se eu fosse Pelé teria deixado só a linguagem do corpo falar?
Caso me espelhe em meus muitos ídolos de qual deles virá a maior parte de idolatria?
Num canto bem arrumado com fragmentos disto e daquilo dando a manutenção diária sobrando tempo pra brincar?
Para não deprimir basta se olhar no espelho?
Me gosto o bastante?
Mas, e este pneu de fusca no abdome?
Deixa rolar?
  

domingo, 21 de abril de 2013

Enquanto eu e meu técnico descíamos para o plano

Estou descendo.
Na frente.
Estou lhe dizendo as palavras feitas para você.
Aquilo que você queria ouvir.
Você me ensinou assim.
Pode curtir.
Contraste.
Estou deprimido de palavras.
Uma boa saída é sem destino.
A câmera está me explorando.
A música de Ansel Adams tem o furo certo.
O desenho de Cartier Bresson é o momento exato.
A economia de Sebastião Salgado é a miséria.
As linhas dos galgos de pelo curto são mais flexíveis.
Os molossos babam.
Volpe é raposa.
Bicicletas fixas requerem mais habilidades.
Bicicletas todo terreno costumar ter...
Bicicletas urbanas inglesas estão muito caras em São Paulo.
Perdi de 2x1 ontem no xadrez para o meu cunhado enquanto conversávamos na mesa da minha cozinha.
Bobby Fischer ampliou a linguagem enquanto aqui e lá estavam dizendo que ele estava louco.
Judit Polgár vai fazer 37 anos depois de amanhã.






Ela faz parte do meu cotidiano

antropolatria asno camelo cecear compromisso utensílios de cozinha dialeto encambar escarchar euclidiano filarmônico galantina grude impressionismo laicidade marchetado moréia parse placa radiador reconfortar significado sudoríparo travado uredíneo víbora vulcanizar xaropada zaranza compôs e imprimiu são paulo brasil!      

A minha adoração por uma pessoa é burra preciso camelá-la cheio de ss um compromisso com as coisas do fazer esta é minha língua coloco na fieira deixo bem crespo o sertão matemático cifras sonoras galã vaselina colado na carne cortem a minha orelha vamos separar de qualquer credo de qualquer mando incrustarão caramuru descrever gramaticalmente afirmando o discurso explicando inflexão e relação sintática vi fincado preciso respirar, num canto significa suor duro de comer cogumelo serpenteia emborracha este xarope bêbado & imprima aí em sampa aqui bsb-brasil!           

sábado, 20 de abril de 2013

Estes sabem do quê estou falando

escrever um salto
ler em voz alta
ação é vi li ri curti!

estudar um grito
li à luz de vela
ação é refletir

moderna gramática do senhor feitosa
imperativo quer dizer entonação?
aula versus navegar à esmo

as notícias são mais importantes que o quê está acontecendo comigo neste instante

um deleite uma leitosa um pastor outra pasta outra lixeira outro arquivo outra nota outro dado

mas, aí, sentei, sabe, com um que sabia e sem mesmo querer me ensinar ele deu uma pista que site de busca não buscava

muitos dizem ditados poucos falam o não falado aqueles que calam silêncios doídos me intrigam 

de quantas imagens eu quis me construir ?
de quantos pardais pensei vôo mais colorido e mais cantador
  



Os robôs e o grande poderoso Thor ( uma história de Artur & Robson)

Um dia num lugar muito longe dois robôs queriam brigar pela sobrevivência então eles foram voando para um lugar onde sempre havia brigas eles não poderiam esquecer de passar protetor solar porque lá parecia um vulcão de tão quente então começaram a brigar só que não sabiam que eram irmãos
assim que começou o combate perceberam que eram irmãos pois seus golpes eram iguais e a agilidade e a velocidade também então começaram a combater o mal 
então eles foram treinar numa academia o robô amarelo podia voar e tinha o poder do choque e do fogo e o branco tinha o poder da super-força numa mão e a outra era uma mão normal só que tinha uma vantagem ela atirava um raio lazer 
então o robô amarelo colocou no seu modo investigador e conseguiu ver vilões através da parede com o seu olho
só que não perceberam que ele era gigantesco.
(veja a próxima estória!)

Sim querida, tudo é literatura, a minha literatura

Se todo dia eu pudesse pilotar uma nova bicicleta feita por desenhistas que sabem o quê é montar em uma bicicleta e escolhem os materiais adequadas para esta satisfação assim como a de 5kg da PG BIKES alemã se todo dia eu não estivesse com meus 3 cachorros cachorros 2 ingleses 1 italiano se todo dia eu não escrevesse se todo dia eu pudesse ter um novo parceiro de xadrez que me desse trabalho se todo dia eu pudesse ler um livro como AS PALAVRAS se todos os dias eu pudesse estar com novas pessoas interessantes se todos os dias os filmes fossem sempre melhores se todo dia eu parasse de escrever se todos os dias não fossem mais iguais a todos os dias se todos os dias eu e minha pretinha ganhássemos a estrada sair de onde está é minha maior arte segundo minha pretinha eu nunca estou onde estou devo ter começado a desenvolver isto quando começaram a me distribuir novas realidades contando suas mentiras sobre outras mentiras de seus antepassados qual HISTÓRIA vou contar pro meu neto se ontem quando ficamos jogando um jogo da coca cola ele me rapou todo o dinheiro e fez seu monopólio tanto de regras quanto de bens os lúdicos estão sendo sugeridos por uma força maior hoje não são os pais que iniciam os filhos em determinados jogos e sim a televisão ainda ela e é claro nossa madame rede caia onde cair um menino me sugere um novo humor um novo entretenimento e diz que devo brincar com o maior número de crianças possíveis será que conseguirei ser fiel a todas elas vou brincar de ser punk com meu filho num campo de nudismo numa banda de garage enquanto isto tentamos salvar a humanidade que nunca existiu e esquecemos que até os nossos que tratamos com o máximo de humanidade que conseguimos juntar tornaram-se desumanos distantes auto-suficientes e hoje só temos que cuidar que não se envolvam em encrencas maiores enquanto isto pedalo leio fotografo curto os cães jogo xadrez desenho converso muito durmo como bebo escuto vejo sinto mesmo tonto não sei se de labirintite ou sinusite levanto cedo durmo meia noite.
   

sexta-feira, 19 de abril de 2013



Eu sou um filme japonais

Algumas fronteiras ainda,
filme saído de livro made in japan.
O diretor não quer deixar ninguém nu!
Ele ainda gosta de se fantasiar de fotógrafo.
mim pinhole na palma da mão!
Todos os tecidos limpos prontos para envolver as cenas...
A brincadeira entre o Ó & o A não pode acabar em não, no final o n saiu!
Aquilo que foi novela vaga no Japão. 
Se der pra fazer sem lentes, prefiro.
Um poro só. 
f64.
E o restante das peles na frente da caixa preta são mármores-marfim-ébano...
...que eu-artezão poli para a minha captura!
Uma prosa seca quando se diz molhada...
Ele com dor de ereção!
Só uma vez e mais nada!
Hoje está nublado.



quarta-feira, 17 de abril de 2013

Encontrei pronta esta composição na mesa da varanda

Quando me falaram de esforço pensei maior e não encontrei a dita imagem feita por vocês é sempre assim comigo com relação à idade também sempre me pensei mais velho do que sempre fui depois de tantos anos me via novo naquela época em que já me achava bastante velho para aquilo as grandes e pequenas verdades também demorei para dissolvê-las em algum sabor hoje faltando 13 dias para 55 anos quando subi na bicicleta e fiquei mais tempo em pé bombando na subida percebo mais uma vez certos erros com relação a um homem de quase 55 sobre perder a potência por exemplo e o tônus muscular será quantos foram estragados quando acreditaram só de um lado conheço muitos que depois de segurarem uma receita só avia esta só diz acreditar nas características da sua dita por ele personalidade persona sem mais personas ou ele se gostou como personagem e quer escrever o livro mais grosso aquele que vem aqui só pra acumular é só mais um tio patinhas acreditando em sua moeda número um jogar fora é mais interessante.
    

Mas, vocês ainda podem continuar dando seus sorrisos de pessoas lindas e saldáveis, vocês que acreditam no rótulo...ou comprar suas fraldas maiores...

Se eu deixar qualquer frase entrar permito que digam: devaneio.
De janeiro para cá vai ser depois de amanhã.
Entendi a preparação para a chegada.
A prosa é longa seca enxuta exata no objeto direto no eixo oeste.
Os pequenos jardins de Brasília estão sentindo a derrubada da mata do balão do aeroporto ela valia mais que copa do mundo olimpíadas e diplomas de arquitetos que não sabem passar por baixo ou por cima sem estragar a raiz sem tirar a luz das copas.
Pra derrubar uma árvore qualquer discurso vale, só não derrubam a do conhecimento, esta continuará dando frutos num mercado paralelo onde nunca é preciso só dinheiro pra entrar ou qualquer outro atributo mas quase todos ainda é pouco pois com conhecimento ainda não conseguimos o homem-humano!
Quando me encontrei com 8 visões da América Latina no CCBB e perguntei pela matinha do YtamaratY o mestre me receitou Pedro Páramo li primeiro Planalto Em Chamas e tudo ficou mais claro e deserto com relação ao mando depois pude entrar no quarto escuro da América Latina & conviver 
bem com todos os fantasmas. 
Quadro à quadro Rulfo dá o recado deste nosso atávico lugar...
Dizem que está melhorando por estarem tropeçando em cracks. 
Parei o carro do lado da cama coletiva na sombra da farmácia quando fui descer pro eixão no domingo um deles já mexeu comigo do outro lado vinha outro mais rápido do estacionamento do hospital de base dei um pequeno tiro de cem até...
      

terça-feira, 16 de abril de 2013

Se aqui não fosse bom as pessoas não encontrariam aqui os amores de suas vidas

Aq
Aqui em Brasília basta você se deslocar um pouquinho e já está na roça comendo uma boa comida mineira.
De quebra ainda bate um papo com o dono antes do almoço ficar pronto, olha suas máquinas velhas, ouve a boa música caipira de Zé mulato & Cassiano depois almoçam juntos lado à lado em mesas diferentes, ele com o seu filho, eu com a minha pretinha, antes de qualquer outro freguês.
Lá no clube de xadrez ainda faço um ensaio enquanto jogo como bebo converso com grandes mestres além de ver o senhor da Mercedes jogar apostado com o empregado do clube enquanto ele atende os enxadristas.
Quando quero mudar de país basta ir para o setor de embaixadas e escolher um.
Depois de 18 corridas de Reis completadas conhecemos bem o asfalto das asas.
E sabemos voar bem com ou sem um plano piloto.
Você já entrou no córrego da Candangolândia e foi até o lago sul pescar por dentro?
Com a galera da CAPOEIRA, DO SAMBA, DO ROCK.
Já esteve na escola com os engenheiros médicos doutores de todas as áreas?
Brasília é uma cidade que o cara do barraco freqüenta a mansão do bacana e discute com ele de igual pra igual bebe come dorme sem segundas intenções isto posso provar antes mesmo de ter arranjado emprego e tenho testemunhas de peso vivas! 
Aqui quando quero falar com um diretor ou com um servente não preciso ligar antes vou direto bem no cabeça à cabeça!
Nossos ídolos daqui são pessoas comuns como nós que comem e bebem nos mesmos lugares sem frescura sem rapa pés sem delongas ou molinhas!
Mas mesmo assim tudo isto é um tédio só e gostamos muito de sair de variar para depois chegar e sintonizar na nacional fm perto de Cristalina e falarmos estamos em casa, ufa!

     

Gosto de ver Brasília assim:

Estou desesperado pra largar! 
Nada de fogos na chegada!
Quando corri Boston foi
com Bill Rodgers em 75 vencemos e quebramos o recorde norte americano apesar de pararmos pra tomar água e caminharmos...
Assim como larguei em 61, e terminei 58 lado à lado com Johnny Kelley!
Estes são os números?
A distância para mim sempre foi percorrida em contato com o solo sempre uma questão de longevidade quando cheguei avô com 48 senti uma linha de chegada rompida, mas sem fogos!
A linguagem de um corpo de longa distância o pneu não compreende nem as bombas!
CLARENCE DeMar!
Que nome lindo!
7.
Que número bonito!



   
  

segunda-feira, 15 de abril de 2013

_Fica na sombra!

Meti dez digitais no título.
A moça do cartório eleitoral teve que ajudar com a pressão certa.
Compramos um pão alemão na padaria e levamos para casa pra comer puro descendo com chá de alfavaca com leite.
A regulagem que deram em nós até ficarmos assim não tem mais peças de reposição ou mesmo todas as ferramentas com todos os mecânicos que foram precisos...
De que vale amigo que não ouve tudo que você fala em qual vale minha voz pode ser suave brisa noturna ao luar?
As perguntas me perguntaram a suavidade da minha pele respondi suave ou áspera depende do toque de veludo ou ceda.
Algumas protuberâncias no meu texto são plenamente reversíveis.
O corpo desta Gala é Dalí!
Sentamos ao lado do diretor mas fomos atendidos primeiro só enquanto esperávamos nosso amigo Paulo que levou pança de dois atendimentos especiais.
Isto foi leve!
Entra em desenhistas de bicicletas e veja como estão ficando mais importantes as nossas magrelas.
Não se contente só com materiais palpáveis experimente também coisas desconhecidas mesmo sem tocar.
O quanto de falas conhecidas ainda temos que polir?
Se hoje o texto quer ser grande não foi o dia todo assim pois pela manhã ele deu mais de 30 tiros de 10 segundos em preto e branco com alto contraste.



    
    

Meu cachorrinho é um docinho de leite de cachecol rosa-choque!

Linha de lã nem liga.
Não precisamos acabar com a imprensa.
Cátedra Caduca?
Um verso japonés ganhou outro acento.
Aquele verso inglés está com o boné apontando para cima.
O italiano é negocioso.
Norte Americano toma whisky com os pés inchados ao relento depois mete uma crônica e apaga.
Alemão fotografa o chão.
Belga parede.
Suíça montanha nevada.
Coreana faz formiga de ouro.
Polonês me deu uma wodka. 
Argentino uma treliça. 
Piauiense um carrinho alemão de carregar material fotográfico.
Não sei se ponho placa na minha casa de passagem.
Atenção estrangeiros não vou sair daqui!
Venham então serão bem vindos.
Aquela de verso francês...
Aquele de verso cubano...
Todos os versos são meus mas se o comerciante de universidade souber pedir lhe dou um bom verso de graça.
A graça do verso dá as costas pro crítico.
Quando estiver bem bolado vem jogar comigo 64.
Hoje ainda é domingo!
  

domingo, 14 de abril de 2013