sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

a familia nao quer fama

Resta ainda uma postagem com o celular da barbara um teclado mini e a calma de quem ganhou a sao silvestre estamos aqui comemorando o niver da diva ninguem sabe quantos anos telefonemas ela ja recebeu muitos da irene rir ate o ze peia agora ela saiu do banho vestiu um vestido florido e esta izendo que nao da conta de escreverneste pequeno teclado canta com ironia o brasil mostra a sua cara quero ver quem pagaga pra gente ficar assim mandou um cazuza entre os dentes sem acento como diz frank sinatra nao vou dar bola pro azar ela fala do paulo diniz quem sou eu pra escolher este arroz mesmo de oculos a bize diz que nao escolhe arrozela e vicio com medo de morder uma pedrasegura a barriga teremos produtos nos voltaremos.

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

As férias do dia

Estou na lã raw zé.
No chó ping dos patos.
Compras do niver da Diva.
Ela é a última do ano.
Viemos passar o 31.
A água de cheiro foi entrevistada.
Um romério ilustrou.
Estão tirando cópias do meu lado.
Uma tecelagem 40x60 custa 78,95.
Está exposta acima deste monitor.
A moça das cópias veste uma camisa amarela escrito almanaque revistaria.
Uma outra passou a usar a máquina ao meu lado, confere o arquivo no monitor, e leva directo para a copiadora. As duas se alternam na copiadora, enquanto a de amarelo atende um boy com uma pasta cheia de documentos...
Vou descer e flanar mais, antes de ser achado por Diva & Bizé.


quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

CONSTA

ATENÇÃO informamos que você está sendo filmado MEGA PROMOÇÃO 1,50: NÃO DÁ PRA LER POR QUANTO TEMPO, A MINHA BÁIA ME PROTEGE DOS ROSTOS MAS NÃO DO SOM DA TV, BÁIA 1 LOGIN 1 SENHA PXL, AQUI NA PRAÇA BANDEIRANTES, estou esgotado depois de rodar de carro e logo em seguida no dedão, estou sem net , favor não desligar o computador, vou tomar um banho REGRADO ... MERDA ....

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Meu olhar congela o mais rápido movimento de rosto

A condição de humilde que me pedes está no computador do rubricaremo na pastinha do pastorearemo no olhar maluco de quem separa brigas jogando o monte pra lá encerrou quando corpo e mente dizem não sem querer ler o gesto mas dando ao gesto a oportunidade de parar PARE na lata a imprensa nas minhas mãos e levo ao mestre marcial e me desligo do assalto dou as costas mostro o ofício cada um tem o seu que exerça na hora pois depois fumador cinzas aos elementos as casas os carros as férias as coleções os contos de fadas faz de conta que cri ser um clássico de aventuras cavalheirescas dentro de uma impressão livresca que diz precisamos fazer assim não preciso fazer assim vamos fazer assim oh quem quiser brincar de ser não atrapalhe os seres saiam da pista vou usar todo o salão vou dançar o espaço minhas penas levem de lembrança soprem nas igrejas elas escolherão os bêbados...

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Ainda sem imagens?

O Google foi retirado do ar descobriram um menino lá dentro armaram, o mundo quer os pescoços do resto, a mídia comandante diz não saber de nada, eu tiro cem cópias por dia, distribuo para cem pessoas diferentes, e tenho uma cópia comigo neste instante. Temos que tomar cuidado com as nossas simulações, pois se dissimulam...perderemos máscaras por aí...
Uma grande verdade bateu no portão com seu tio catapulta todos lemos seguimos e não reconhecemos, elas entram e saem sem rodar a saia, são pessoas dos mesmos convívios, das mesmas vaias,as grandes verdades estão mal faladas, deitam e rolam com grandes verdades, como? quem falou? onde? quem? Nada não gente, eu só estava tentando misturar maradona com Keith Richards, vai descer assim mesmo!
Ok Google, saca!
Não basta permitir!
Discuta!
Isto, se ele estiver vivo, em algum lugar...

domingo, 26 de dezembro de 2010

Teste de texto

Ninguém vai ficar esperando fala vai jogando aí enquanto vamos ali tomar um açafrão de qualquer harmonia estamos na estrada o bit stop é de silício vale uma mão de sinuca a sua não a minha a minha já foi é sua vez vai lá diz aí qual é o programa esta laranja mecaniza a odisséia no espaço e se eu ponho mais um nove fico iluminado quebra aqui vai ao cubo do Escher veja quantos espelhos tem o seu rosto e as escadas de descer subir serão feitas com um simples abaixar de fundo é bem óbvio o óbito das suas retas quando me viu alinhar a branca com a preta rumo a caçapa e a linha da branca sobrando uma ponta por puxar ao meio deixo na cara do cinco azul bola da vez cadê o fodão do texto manda ele descer mais uma depois deixamos ele na ceí quem sabe em casa o boca não abre a mala estávamos precisando de um braço torto e forte o start dos filmes não está querendo startar em star star THE ROLLING STONES "STARFUCKER" Lyrics e os meus discos ligam os pratos de rolar a bolacha enquanto a capa morde a mão no desenho não esgoto mais que uma gota de sangue.

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Pausa nas imagens



Só tem palavra feia no bolso de nós outros por pré suposto o boato era maldoso um senta no papel dos trinta por sua vez vai gozar férias pra limpar outro tira pra não pegar tem quem pega sem tirar tira de quem pegou as férias dos outros escrevem uma nota de uso como aproveitar melhor as férias de terceiros sem tédio as férias do outro está bombando eu que estou tomando bomba em doutorado de ouvinte não ouço mais bombas nem como férias agora papel dos outros é papel dos outros não é para limpar o rabo grande de ninguém nem servir de toalha de fundão das nautas gratificações de ilhas onde o bunda mole quer ser rei levitar suspender soprar a linha em direcção perigosa bêbado sopro spray Chuvash deve ser minha rolha que explodiu na cara de mil tons mil que vazou mil caso da aidética craquelada rumo a villa planalto um tiro de mil na diagonal trilha abaixo do palácio antes dos bombeiros: escapuliu!

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Praia do Pecado


Prosa de ser, cria estorvo. Meu salgueiro já está abrigando pássaros, a moringa maior caiu, as cercas elétricas dos vizinhos matam passarinhos, os vidros também, mesmo os azuis, a Naomi mais o Lance também.
Este ritmo está picado vou dar corda no coroão e manter moto-contínuo a petição pede licença ao pelotão pra dizer olá como vai go go go e a brasília baja aumentou as rodas furei os cinco pneus e saí mais cedo plantões noturnos obrigatórios é lenda finais de semanas também as cabeludas sessões varando madrugadas idem vejam o túnel do tempo tem fantasmas dando tiros no carpete com sapatilhas de cravos sintéticos só para não perder a pegada estes bosques constituem bancos de concretos com frestas de deixar crescer em baixo e subir bichinhos nas bundinhas de vocês sentem lá e rolem suas abobrinhas batidas um bom piquenique é o que desejo.

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Que santo é este?


O futuro está neste click, lê o Blog todo, e ganhe a possibilidade de não precisar mais ganhar.
Aqui neste futuro ainda ganham? Ganham e perdem o tempo todo. Ainda estão vendo Alice nas Cidades? Foram pra Cuba deitar e rolar. Um novo paraíso perdido está em cada um de nós por toda a existência o nome dele é movimento para que possa existir pausa o silêncio que não ouvimos.
Aquele, dito das esferas, em outra república, as partículas hoje separadas da menor esfera, o elemento primordial; faz o som do momento. É o som mais ouvido. E uma guerrilha, não rola?
De tinta, nos canaviais! Depois nos deitamos para chupar cana! A palha da cana dá uma coceira...
O futuro passou a passado, presente do senhor presidente. Cuidado para não quebrar a ponte, siga em frente, não quebre a corrente, a caixinha da fulaninha dá mais quentinhas que as das cumadrinhas. Meus pratos me mostram um homem de preto em cima do telhado no conjunto 6, ele tem um balde com alguma coisa, que passa nas telhas, ele está a 150 metros, a cabeça dele está na linha dos pinheiros do Paranoá.
Vou passar!
Só vou essa!

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

As folhas caídas na minha íris


Primeira sunga
vermelha
cinto preto
fivela dourada
rumo
Santos
família
dois ônibus
alguns carros
praia grande
Rogério & Eliana
primos das primeiras aventuras
sem muitas palavras
enquanto filmávamos
tele objetivas novas
sungas frouxas
homens bêbados
cantoria
desesperados
saímos de baixo de chuva
ela nos salvou
de mais vexames
enquanto tempo bom
brincamos com todas possibilidades marítimas possíveis dos cinco anos de idade
ou por volta dos cinco anos de idade
aos cinco fazíamos o cenário
escolhíamos a luz
elenco selecionado
figurino
Eliana acabava na bacia comigo
o banho
depois das palmadas na bunda
eu não podia apanhar
era o diretor
mas consolava
com outra história
eles não tinham Vó Filomena narrando
depois de tudo quieto
apenas os cães & os guardas noturnos
que tinham pausas nas Histórias de Vovó
de dentro da máscara a estrada para as imagens
marcado
a viajem ao mundo real
como pagamento catava lhe os cabelos brancos, arrancar cabelos brancos foi meu primeiro trabalho.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Abram portas, e janelas!


Ninguém vai escrever sabe tudo sem saber nada pois ao padre a dúvida do fiel é alimento para a sua segurança já me disseram falando você é melhor eu que sofro tanto ao falar e quando escrevo existe uma massa de nervos que me empurram contra o muro de palavras a vontade de dizer é maior o clube de fóruns não aguenta um assalto da empresa da comédia humana junto com o calhamaço de males escritos antes aqui cabe um ponto não final suportem o esboço do artista o exercício suporte a minha brincadeira não é diferente daquilo que suportas edite me salvou depois da trombada com o arame farpado em busca do balão singre comigo singer de vermelho em caixa alta faz voltar a imagem com escrita dourada em fundo preto estou costurando com a mesma linha tem muito tempo tanto faz eu como o outro não vamos passar de nós mesmos esta tentativa de entrega de um produto que não se exerce sem nutrientes para o corpo que parece estar no instante e não na estante que dizem estar na rede mas é cada vez mais mar e a baleia branca engole embarcação sem capitão herói sou tragado por sua garganta cai a cortina 125, 5, asa 100, 840mm, kodachrome...no tripé de madeira feito por Cláudio.

domingo, 19 de dezembro de 2010

Cabeleira visto por Bárbara, enquanto eu dirigia


Quando calhar a chuva que caia no mesmo solo de sempre a ideia é de fazer você ler a frase já que tu lê tão pouco pelo menos leia a frase toda sem nenhum dos seus ritmos preferidos as suas dancinhas de salinhas de aulinhas sobre os fulaninhos seus mistérios de encomenda quando a chuva cair na calha vai descaia a parede que não sabe de divisas EU NÃO SEI DE DIVISAS é um bom nome para um estabelecimento qualquer quando cheguei aqui em 79 tratei de comunicar EU NÃO GOSTO DE NEGÓCIOS mas sou amigo dos donos dos negócios pergunte ao caio ao PI ao balacubaco ao moreno, teceu, JP, rosa, jamil, marcão, sílvio da Z, lazzaretti, venâncio, e poderia transformar seus nomes em versos da palavra de onde ela foi fundida pergunte pra neguinho zé luiz cadima macaco dudu frajola gláucio( os dois) erinaldo procópio ostonho tonhão marconi( os dois) coutinho luizão do lago e o outro luizão que levou um 147 e 60 mil para matar o padre tarado de una aí todos não dou preferência a ninguém compro e sou amigo de todos aqueles de quem compro como sou amigo dos outros todos possíveis amigos deste planeta os interesses mesquinhos não me interessa este texto só me interessa na medida da vida contida e aqueles que realmente estiveram comigo sabe o tanto que me contenho.

sábado, 18 de dezembro de 2010

Os filtros de Desfoque suavizam uma seleção, ou uma imagem inteira, e são úteis nos retoques


Bár end catarse ostracismo me faz ir duas vezes ao google a descarga emocional do drama me expulsa por dez anos de qualquer verbete por actualização vou poder ficar dez anos sem me actualizar vou poder ver onde não precisa ver nem sentir onde não precise sentir deve ser onde a educação não tenha que ser lembrada a educação sem limites para a palavra onde conversar do corpo não esbarra em teorias sem treinamentos onde a palavra quando é dada continua conte nua a palavra nua está tomando palmadas nas bundas nos corredores da web vamos treiná-las em todas as línguas perfilar difundir no difusor branco filtrar a luz qual é o filtro ideal para o meu corpo nu de acordo com o cair da luz e mesmo ao levantar quais seriam os filtros até sol a pique nossas peles são expostas sem nenhum cuidado óptico...

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Aquilo que tens caro, dou de graça:


Se você tem defesas para a viajem do outro, cuidado que ele pode usar as vírgulas do suporte. Somos assim. Cadê o preto e branco do Salgado? Os donos do suporte poderiam usar um corredor polonês, nós todos pelados correríamos levando palmadas nas bundas pelo corredor branco difusor, sem nem uma interferência, apenas o branco difuso, os senhores mandões, e nós todos correndo nus, enquanto levávamos palmadas nas bundas, na medida certa nem carinho nem porrada, vejam lá com que bunda vão correr!

Instale. É de graça, tenho muito mais, todas de graça. Pontos não finais te dão compreensão?

A Dona Flor e seus dois maridos ou tantas quantas você fez ou qualquer mistureba de um dito imaginário me faz rir da coberta durmo rindo sonho desenho animado e te classificaria em um dos cães de Jason, um norueguês amigo meu, de outros frios. THE LIVING AND THE DEAD by Jason, o meteoro da capa tem cara com olhos ouvidos nariz boca e cu, que deixa seu rastro vermelho em forma de clava. Te deixo ser um dos cães.

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Estou no varal..?( reticências aproveita um pingo da interrogação)


Antes de pensar em escrever com a luz tenha o cuidado de narrar aquilo que se fosse escrito com sombra também teria o mesmo caminho o seu caminho pois a caminhada do outro só ele caminhou de que vale mostrar apenas através de uma técnica se a sua linguagem não estiver presente a doce linguagem das nossas comunicações me diz que você foi infeliz ao tentar dizer escreva o que ainda não foi escrito pois poderia dizer diga de uma maneira sua ou até diga diz aí qualé de mermo meu irmão o que vai ser qual é o programa então a lua um dia me disse na noite fria da zona leste de sampa eles todos deviam soltar balões em vez de ficar contando histórias de assombrações e eu sorri pra São Jorge que nem percebeu ficou lá matando dragões das independências santo bobo nem conseguiu impedir a derrota para Portugal em 66 mas a lua não tinha nada com isto e me respondia com outros desenhos outras aguarelas que mancham o meu céu assim que lhe dou de beber.

Está faltando água para o submarino?


Quando eu começar a descrever bem claro
com todos os clichês de vocês
que estou coleccionando
vou poder ser técnico
e dizer além do que vi até porque o que vi
é tão óbvio
que já foi dito
falam pelos corredores
é publicado no jornal
nas revistas
a fala do dia
me preocupo muito quando dizemos aquilo que nos disseram sem mesmo tentar dizer ao contrário
e as coisas que fazem
estão no arquivo público
desde sempre
passam o arquivo para os seus filhos
e acreditam serem bem sucedidos
interrompem a sua conversa do nada
e metem o mesmo discurso
estou ganhando
estou gozando
estou fazendo
estou comendo
estou rindo
vamos façam comigo...
e discambam mais um dia
nas mesmas descambadas...

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Onde fica a torneira?




A ficção modela suas vidas


a minha vida modela um conto


sobre vidas de ficção


viviam em qualquer lugar


tinham qualquer costume


com qualquer organização


presente em suas vidas
a figura do um não existia
acho que não vai dar certo


este um qualquer coisa


o rei


o Deus


o escritor


o leitor


o dono


o que sabe


o guia


acho que vai dar certo


a presa vai dar de comer


vamos poder multiplicar o mando


diziam antes de subir


e assim a colónia cheirava seus corpos mais


importantes


e vomitavam o espinho de manter o cheiro


até outra colónia tomar de conta


velhos


novos


entre os dois


o que não é velho nem novo


subiam entre SUS


e reticências para eles


que como qualquer colónia


espera o vidro perfeito


que não deixará vazar o cheiro


mesmo sobre o preço de não ser cheirada


a acção colonial de qualquer pena


vamos ensinar os presos


que na terra qualquer pena flutua


paira no ar


e as molhadas de literatura


pesadas de tanta escritura


aguadas até o pescoço


estas permitem que voem


sem chuva


cair no mar pertence ao texto


ensopar de letrinhas também


e não vamos acrescentar a morte


pois esta não estava presente na vida destas criaturas


tinham matado a morte


o fim reservado apenas ao fim


como o fim não começa


e nem anda pelo meio


só tem direito ao fim


ele próprio


não falem dele sem conhecê-lo


ele não merece nenhuma importância


ele não é amigo de ninguém


foi assim que foi extirpado o fim


naquele modelo de ficção


num tempo qualquer...

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Achei a forquilha


É mesmo muito engraçado mesmo o pastelão o gargalhar pelo tombo seja espacial ou temporal já ri dos três patetas mais engraçado mesmo é ver o engano no personagem que quer sair do texto escapar sem a minha autorização de saída antes de ouvir o meu o que pensa levar aí o personagem está penso não vai subir vai dar cabeçadas sobre a cidade o rir eu já treinei chorar é um último caso e pode ser poderoso quando é a lágrima do fada-se então meus pés no solo sem guitarra meus pêndulos soltos a câmara espera o clico do congelamento fria vamos bater quantos milhões de chapas por segundo acelerar o acelerador de partículas e não perder nenhuma nano gama âmago essência alma dou gizada antes de levar a porrada de imagens do seu erro em bater naquele que queria te dar poder homens sem potência batem e aquele que escapar de si o outro não pega NEM EM BARCA FURADA afundo dentes no pescoço que entrar na minha viajem e não vou achar nem engraçado nem triste vai nascer uma outra cor.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Uma ponte para o céu


Antes de descer do trem uma última fagulha bate contra o meu filtro polarizador sem molestá-lo anestesia
A lenha deu pra chegar
A estação está cheia
Tem um cara dando show com um teclado
Simulamos uma viajem de São Lourenço a Soledade de Minas com direito de parar nas estações para fazer compras
É fácil pintar uma paisagem
A vida acontece
O clichê virou rede
E, uma vírgula entrou
No circuito das águas a ferrugem é bem vinda junto com bocas de leões abertas molhando sem lamber as bocas dos turistas
Você já andou de chinelos de dedo no paralelepípedo molhado?
Ela pinta a cidade de dentro do parque?
O professor de basquete ensinou o presidiário a fazer cesta?
Qual é o movimento do aeroporto?
Não tenho certeza da casa que morei e não consegui saber sobre o relógio da igreja que o pai do Cláudio dava manutenção
Viajar com objetivos é ruim!
Verbo verba a vertente verborragia!
Vão os veios e vêm os véios!

Anotem o nome, e a coxa!


Vou escrever bonito a distância do trem que ainda não peguei onde eu possa me ver no reflexo da janela misturado com a paisagem na aceleração das imagens enquanto eu não seja o outro que vê aquilo escrito num Romance Japonês e ter que me relacionar com o passado dos nativos pode me acalmar por um mês não vou soltar o quê do não sei o que estou procurando pois já não procuro pois estou achando demais e está ficando sem onde por uma lettera 22 que foi da mãe de um me foi dada por amigo do filho que achou que a minha mão irá modificá-la colocando-a num recipiente incolor cheio de sangue artificial onde oscila na superfície as teclas brancas do nada escrito tragam-me o melhor material e não errem na execução o partido agradece pelo objecto vão dar como concreto o movimento de 22 vão aparecer mais réplicas chinesas que coisas das modas nos guardas roupas dos seus filhos dos filhos deles dos filhos da dona quem ela criar .

domingo, 12 de dezembro de 2010

Este caminhão chegou para abertura?


O livro de memórias, não tenho. A trave jogando dupla vale 4, já acertei uma porrada bateu nela voltou no meu joelho e entrou. Estes meninos já jogaram na lama descalços? Futebol de sabão é moleza, O Cross Cerrado foi corrido aos 47 com máquina fotográfica registrando a prova dentro na prova 36 chapas preto e branco reveladas pelo GB e guardadas no álbum da família. As vantagens são dadas por sacrifícios você sacrifica um peão enquanto sacrifico uma performance atraso um lance no flanco esquerdo pois enxerguei o ponto de rompimento na direita o jogo está ficando interessante antes de te dar Marte vou congelar um Saturno como único disco voador mas posso também colocar luas no museu suspende-lo na esplanada com aurora boreal instalar um frio natal onde todos vocês serão Reis Magos de branco vestidos comportados estaremos nas coberturas dos ministérios tomando nosso chocolate quente fumando um charuto de cuba cuba lá que eu cubo cá anotou a chapa museu de Saturno visto da Noruega regado à Suíça com um comportamento Inglês a luz difusa do museu sem outras luzes artificiais nada de fogos precisamos ouvir o mantra de vozes en passant sem sair dos nossos tapetes voadores...

sábado, 11 de dezembro de 2010

ESTA SOMBRA DURA DE CABEÇAS PARA BAIXO


As pessoas pensam que nós pensamos que estas pessoas são pessoas que pensam porque as pessoas são dadas a pensar que as pessoas vão pensar que nós estamos falando delas assim que pensam que podemos pensar que pessoas são dadas a pensar mas nós que não somos pessoas somos só filhote de pessoas que também não pensaram nada portanto não pensamos nada de pessoas ou os baratos afins pessoas não existem além do recorte além dos mapas pessoas são lá além pessoas disseram ou pessoas ouviram pessoas coçam os seus ouvidos pessoas insectos pessoas calam diante de quem vê pessoas maltratam o arquivo fazendo orelhas nas bordas digitais e analógicos pleonasmos viciosos de pessoas nos lugares comuns onde a rua racha de rir de tantas pessoas que pensam que pensam que pessoas pensam que estas pessoas podem ter pensado nisto antes mas não pessoas deviam pensar pessoas precisavam sempre pensar que pensar é divisar dividir o ar com a visão única de cada um por tanto pessoas não existem além do tecido o tecido é independente de qualquer pessoa pois jamais vai ser pessoa ou esta pessoa que voz fala não é uma pessoa.

Estilo o que você quiser


A cara que mamãe fez quando me viu aqui a primeira vez não acreditando nas peripécias enquanto ela trocava o borracheiro pelo mascate eu trocava as correspondências pela guarda do cd conversamos sobre o corte ruim da farda sobre o ter que ficar em pé igual escultura de macumba e outras amenidades religiosas como os plantões noturnos obrigatörios os finais de semanas complementares e os inspectores cromáticos mamãe era boa com os personagens deitou com alguns na zona de patos de minas até que apareceu um nobre que adoptou toda a família sogra cunhada filho tios e tias e primos tudo e ainda trouxe um irmão pra mim que hoje é um grande empresário dos transportes as horas extras que fizemos na pensão São Paulo eu não vou cobrar como não cobrei a produção das correspondências tão pouco as arbitrariedades do tiro de guerra os parênteses não comportam um livro uma BR INFINITA rodovias brasileiras onde o borracheiro tem um papel importante tanto quanto mascate puta macumbeiro...agora segurança e arte qualquer madame compra expõe vende mas não faz.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Converso água com o meu sobrinho


*##JOSE##* diz:

bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
ta cagando pelas penas abaixo?
pernas

Você acabou de chamar a atenção.

*##JOSE##* diz:
nao ]
bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
Ta sentado no trono?

Você acabou de chamar a atenção.

*##JOSE##* diz:
nao para de chama a atençao
bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
Quem está chamando a sua pseudo atenção?

Você acabou de chamar a atenção.

*##JOSE##* diz:
vc quando apeta a carinha la de baixo que treme a janela
bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
A laranjinha bobinha?

Você acabou de chamar a atenção.

*##JOSE##* diz:
essa que vc acabo de apertar
bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
Eu pensei que fosse um desenho seu!
*##JOSE##* diz:
nao e
bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
Não é que o e sem acento vem sem complemento...
*##JOSE##* diz:
p e
bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
um ponto um P e um e não significam nada?
*##JOSE##* diz:
pOis e
bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
pois e que o é quer ser e!

Lígia está na conversa.

bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
então vamos começar a festa
*##JOSE##* diz:

bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
José conversa direito que a lígia está na conversa, lígia conversa torto que o robson está desconversando.

Você acabou de chamar a atenção.

Lígia diz:
que3 festa?
*##JOSE##* diz:

Lígia diz:
vou ter que ir tomar café primeiro...
esperem ai...
bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
A festa da conversa entre laranjas de boca aberta e laranjas que chamam atenção

Você acabou de chamar a atenção.

*##JOSE##* diz:



bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
Agora as laranjas querem virar laranjadas

Você acabou de chamar a atenção.

Lígia diz:
Gente, que viagem é essa aqui?
bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
José Laranjinha está mostrando toda a sua turminha.
*##JOSE##* diz:

bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
Agora ele orelhou de vez!

Você acabou de chamar a atenção.

*##JOSE##* diz:

Lígia diz:
iiiiiii
bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
Eh! uma válvula do josé está queimando...
Você acabou de chamar a atenção.

*##JOSE##* diz:

bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
Fecha a boca, a mosca não tem brevê!

Você acabou de chamar a atenção.

*##JOSE##* diz:

bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
Louco só tem um L.

Você acabou de chamar a atenção.

*##JOSE##* diz:
nao e louco e LoL um expresao da internet
bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
Eu não sabia que est
Eu não sabia que esta tal de net tinha expressão, e olha que ela trabalhou aqui em casa...

Você acabou de chamar a atenção.

Você acabou de chamar a atenção.

Você não pode chamar a atenção de alguém com tanta freqüência.

*##JOSE##* diz:

bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
As pessoas não sabem converssar daquilo que nunca conversaram, e o S também...
*##JOSE##* diz:
isso
bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
Quando uso um ícone, uso um que foi criado por mim, ícones alheios ilustram bem as conversas alheias...
Nos construímos dos outros, mas não nos construímos com os outros...

Você acabou de chamar a atenção.

*##JOSE##* diz:
ja vou indo
bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
vai pra onde?

Você acabou de chamar a atenção.

*##JOSE##* diz:
pra baixo do predio
bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
No Japão?

Você acabou de chamar a atenção.

*##JOSE##* diz:


*##JOSE##* saiu da conversa.

bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
O seu cronômetro está zangado!

Você acabou de chamar a atenção.

bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
Passa conivente ao meu olhar a nova “Poesia?” papeis apertados contra o peito se for a van filosofia branca caminho urbano vou fazer a barba antes de sair e comparar o muco nasal da Irlanda com a meleca do verde mar do Brasil piso fundo no meu acelerador de partículas estejam do outro lado o que sobrar é a essência o jornal alemão me diz mais que o brasileiro e olha que o formato da DWTV é para Am

Seu verso tem medidas que me agrada!



Passa conivente ao meu olhar a nova “Poesia?” papeis apertados contra o peito se for a van filosofia branca caminho urbano vou fazer a barba antes de sair e comparar o muco nasal da Irlanda com a meleca do verde mar do Brasil piso fundo no meu acelerador de partículas estejam do outro lado o que sobrar é a essência o jornal alemão me diz mais que o brasileiro e olha que o formato da DWTV é para América latina e agregados vamos passear no texto? Com qual letra você brinca melhor?
Você já escorregou no Paraguai?
Dizem que pular do “I” dá DF TV !
Eu não sou louco de arriscar um “Z”com você!

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Tira esta luz da minha cara





Nestes palcos
De ventosas nos pés
A deixa vem no galope dos signos
Alongo a fala
Ninguém me interrompe
Enceraram o piso
Não reconheço a platéia
Os tipos sim
Vou ser polido ao sair
Quem escreve não usa caneta
Só aceitei o que deram para todos
O diretor está pescando
Nossa como este engordou
Estão casando extremos
Enquanto calo, fico alheio aos alto-falantes
Então era isto?
33/5 anos, disto?
Sua vez
Cuidado!
Como se pudesse me dar à vez
Esta crase multiplica, ou é moda?
A peça vai chegar ao fim
Tenho mais uma fala:
Onde foi parar a minha LEICA?
As cortinas não fecham completamente

e da fresta
vejo as horas extras virarem sexta feira 13
o ritornelo.

E as letras


Constantia me sugere Constancia ou constância algo constante porém sendo apenas um tipo uma fonte a letra quer repetir o seu caminhar inglês Lamb ruir meus tipos disponíveis minhas letras de fachadas com sombra e profundidade anúncios garrafais foi o primeiro dinheiro que ganhei escrevendo o nome do estabelecimento na parede no alto de escada de madeira correndo risco vendo a cidade passar de cima um olho no traço e outro no Armando que segurou embaixo quanto O no texto perguntarão mas o buraco não tem fim letrinhas de macarrão na sopa da tarde com batatinhas holandesas uma levada lei Zeppelin lento fotografar o ar da nave de papel que levo ao chão com tesoura B&W cola de arroz esmagado com os dedos tanto pode subir como rasgar é um fazer de tanto faz quando a criança sabe que é melhor tanto faz quando não se tem esperança de ter aprende-se a jogar fora o que pode ser usado por outro dar de presente fazer mal negócio demonstrar fraqueza como segurança da volta saber entrar e saber sair com a mesma indiferença institucional assim como vivemos para o nada mesmo que digam por dois mil e dez anos um dia não vai significar nada aquilo que não saberemos de qualquer começo nunca sei o porque do começo de nem um dos meus textos mesmo aqueles que tinham uma direção vejo começos nos fins nos meios e nos começos sem saber nunca como aquilo começou quando identifico uma frase que podem chamar de mote dando entrada na portaria do meu corpo diante das minhas câmeras tipifico dou continuidade e nem assim é um começo quem souber dos começos escrevam publiquem já fiz um de títulos posso fazer um de possíveis começos é possível que tenha começado no fim em si.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Não sei quem é, nem o que pensa...





As casas onde cabiam letras cada casa com sua letra permitiam mudar de letra fazer gol de. Um sentimento de espaço do tipo de. Não era só casa de. Mas a morada de qualquer signo, estes espaços de fazer variar a palavra professor por tio mandam trocar tio por professor assim o aluno volta e vai procurar o irmão do seu pai para lhe dar aula. Embolei um pacote de arquivos mortos numa laçada fora do quadradinho da folha de desenho industrial que me deram para desenhar o texto.
Para grafo meu escolhi o tanto de luz que passa no menor furo sem vinhetas sensibilizando a película com a minha digital escrevo o Y com borrachas de câmara de ar de pneu de caminhão que recebem o couro curtido de cascavel aviso chocalho maior da espécie. Estas tripas esticam de um punho a outro a esfera de rolimã tem o peso ideal para distância calculada o alvo sujo de azul é marca registrada com erre maiúsculo. Te deixo sem ar quando falo direto o que está sendo falado?

"Rob, não vai fazer arte, eu escuto!"

O olhar ainda te diz alguma coisa nomear a imaginação e o gesto do outro por cima o lance que já foi dito estar com o carrapato inexistente uma fotografia do ninho dos meus cachorros divã acolchoado onde os post`s dão a linha da estrada rumo ao altiplano leste e não era direcção mas obrigação de ler caso mesmo tenha lido leu qual parte do fotograma comparou com qual substância as imagens de JoYce com as imagens de um provinciano de 15 anos de idade indicado para o exército da salvação enquanto desesperavas exasperavas no corre corre do querer estudar eu doente no meu quarto debruçava-me em imagens chegavam das mãos de todos meus olhos de pedir dizem me dá imagens gosto de imaginar e escapar pela margem mar gear antes da cerca me perder no centro e pegar uma carona na garupa do cavalo doido soltar os presos era quase como uma obrigação vovó saiu de são Miguel Paulista sem saber onde estava Pedro Alcântara Stoduto encontrou em minas numa cidade até então desconhecida para ela falou com o delegado os meninos precisam dele doutor solta o homem que a velha garante meu pai foi solto e pode me ensinar a gostar de cachorros trouxe a jóia que era Pointer Inglês e sabia ir comprar pão do português sem morrer atropelada na José Arthur da Nova vovó só tinha o quarto ano primário soltava prendia batia atirava e o dom da fala dizia verdades de mentiras e o tolo que não acreditava só perdia pois vovó dava liberdade em cada gesto pois foi carcereira do alcoolismo da pobreza assim como foi presa da religião da bondade da música da narrativa quando chorava durante a narrativa eu emprestava o lenço bilhete para mais uma sessão...

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

As imagens do ciclismo ficam por aqui




O lado de dentro das coisas as vezes é o lado de fora as coisas jogam com outros lados: fim da série do ciclismo, vamos agora pra arte...






















































segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Temos rádio-pelotão


As fontes de telas fuentes pediu um tico argentino pra fazer ideal somos ideias ambulantes que tal, gostou da pergunta sem o assento de interrogação as férias estão chegando e mamãe vai me levar pra qualquer lugar vai ter primos e primas natal ano novo o carnaval acabou fim mas isto já tem um tempão até estão usando as fantasias no dia a dia ontem vi uma colombina com uma metranca em plena Lígia diz:
Ue, vc já tá ai?
bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
sou
não és?
Lígia diz:
Depende dpo ponto de vista...
bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
estou escrevendo estamos te esperando ta tudo bem tudo legal não tem mais samba nem vai acabar em carnaval''
'aqui o lance amarga uma doença do carrapato inexistente
Lígia diz:
Bom...
Ele ta melhor?
bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
ontem a noite brincou um pouco depois saiu a francesa direto pro ninho
Lígia diz:
Mas essa doença tem cura?
bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
Ele é forte inteligente e querido se não for suficiente o carrapato inexistente vence
Lígia diz:
Pq inexistente?
bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
o caetano passou o medicamento: 30 dias de um comprimido ao dia, não sei o nome da droga mas está fazendo efeito...
Aqui não tem carrapato o lance não tem carrapato...
Lígia diz:
Hummm, bom...
bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
que dia vens?
Lígia diz:
Vcs nao caminharam com ele nao?
Ainda nao sei, nos vamox pAssar o natal com a mADRinhona?
bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
tem muito tempo e foi na rua não no mato, mas ainda assim pra mim ele é inexistente: é o nome que encontrei pro carrapato; carrapato inexistente
Lígia diz:
Huhuhu
bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
sim ,vamos no niver dia 31
Lígia diz:
Acho que todos possuem esse tipo de carrapato...
bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
eu não.
Lígia diz:
Será?
bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
meu sangue tem seiva de vovó!
Lígia diz:
Entao tbm estou imune?
bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
meu sangue é aquarela diluida: ecoline!
Lígia diz:
Hahaha...
bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
meu sangue azul vestido de vermelho não-pt
Lígia diz:
O meu esta em processo ainda de transformacão, mas falta as cores básicas da paleta...
bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
vou salvar nossa conversa para o complemento do post de hoje
Lígia diz:
Ok
bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
As côres básicas da paleta, palitei os dentes, sei dessa base não senhora, quando quero desenhar desenho com a ausência...
Lígia diz:
Quero aposentar e viver bebendo ecoline ao som de calopsita igual o amigo chagal...
Vc se libertou delas ha muito...
bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
e esta parte me chegou agora já estou tramitando papeis novos papeis que vou acabar por papeis representações de papeis, para você poder dizer meu pai era papeis
tem alguém aí?
Lígia diz:
Nunca vou falar que vc era papeis acho que freedom se encaixa melhor
bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
ok, então livre dom(de domingo)...
ontem foi um grande domingo pedalamos jogamos rimos falamos de conivências as vezes temos grandes domingos
Lígia diz:
Livre do domingo e uma boa definição...
bize61@gmail.com (E-mail Address Not Verified) diz:
fazer arte não é trabalho apesar do peso da carga imposta
fui
beijos, te amamos e não babamos lambemos a cria
Lígia diz:
não é...
eu também te amo...
e quero ser igual a vc quando eu crescer
Desculpem, mas falar com a minha filha mais nova é o complemento do post de hoje: coloquem luz!
haha

domingo, 5 de dezembro de 2010

Embolada de coroão(52 dentes)




olhar a paisagem é melhor que escrever está chovendo hoje imagens do tubo que você não leu entrar no punctum com direcção estes telhados molhados com luzes ainda ligadas contrastam com o voo da pomba do bando na recta do paranoá carro com farol me entrega a pista por cima da 27 não temos os mesmos objectos ontem comprei um microscópio vermelho tasca comprei de um diplomata argentino por dez reais e as pranchas do Vinícios por dez também um óculos cor de rosa com forma de borboleta tem as antenas vou amarrar os três num contexto contemporâneo GARAGE SALE e lembrar das compras de falas de todas as casas de onde entrei 79 Junho o choque com o barraco de madeirite depois de varrer a asa sul de dentro do viplan cheguei sem acreditar na invasão favela pra morar nos fundos do 187 fundos avenida do contorno antiga quarta avenida núcleo bandeirante entendi que precisava de entradas e bandeiras e o que é isto companheiro mas antes me matriculei no Leonardo da Vinci para de lá penetrar toda a cidade na sala de aula no recreio na entrada na saída de bicicleta no futebol de salão no xadrez correndo longa distância no de dão de baú grandes partidas com Giotto com público em roda o destaque das aulas de técnicas de redacção com o professor Waldemar que disse que mesmo eu não sabendo nada da gramática eu escrevia bem com criatividade recursos para dizer e assim fiquei a vontade pra pedir pro professor Boliviano pra pagar depois que os quatro mínimos dos correios e telégrafos processavam os meus dados do mês e ficaria narrando até fazer uma tendinite pois a minha vida é um livro programado pra ler desde a barriga de mamãe como não ouvir os contadores de Histórias da grande família dos refugiados ?

sábado, 4 de dezembro de 2010

Escapamos por qualquer beco


Estes fios não querem ficar juntos entrelaçados.


Mandaram um que sobe de verde no poste.


A telefonia não forma engenheiros de.


Os sábados nos levam ao solar da serra.


A radialista disse que Noel escrevia bem pelas paixões.


Que Palpite Infeliz o de dizer sobre o escrever.


Vírgula ao passeio no meio do texto.


Quando lembro quem sou o caminho é conivente.


Mando uma da lata na madeira e o verniz vira cera com receita perdida.


Estou escrevendo direitinho as minhas quebradas.


Longe de estar me leva de volta onde nunca fui.


É possível uma viajem longe tão perto.


Minha catraca desliza um coroão no vento à favor.


Vou voltar para a humanidade, descer, e almoçar.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Me veja pelas costas


Os jogos digitais de ganhar perder viver morrer com velocidades que fazem minha câmara lenta me dar trinta quadros por segundo os Gamer`s da vida faz com que este personagem morda o próprio rabo e o gordo mundo sem roupa não sai do lugar comum do que poderia sim ser jogos educativos não por mais de uma hora e meia para quem gostar do suporte mas não temos os livrescos os piolhos de carro os cientistas ratos de laboratório os balistas de cafés com letras os cinéfilos os leitores de imagens deslizantes tudo bem desliza umas cinco pra cá que eu também vou pegar desliza este tecido no corpo que quiser se não puir tomo um café com você no bar que você quiser enquanto isto vamos pulando de língua em língua sem trocar saliva me mostra sua histórinha do seu mingal e te mostro meu laboratório de não fazer leis meu sair menos com mais intensidade seu último big brother nossas ranhuras feitas por trinta anos de ir e vir e o peido imaginado fede menos a merda suja menos o contacto contamina menos meu tecido se desfaz enquanto escreve a frase que fala da frase a lei que fala da lei o corpo que fala do corpo só pra ver se faz uma cosquinha diferente uma coceirinha boa nas cabeças dos meninos.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

A menina que vai pro Louvre está pintando andróides?


Ficam usando Blake nos enlatados de consumo.

Deve ser esta protecção que querem para a língua.

Vejam o que fazem com Noel.

Devem Villa nas escolas.

Falso DVD.

Domingo é dia de encontrar a repartição.

Via estrutural leva ao lixão.

Dia do pagamento, e não tenho as ferramentas do fazer.

Fim da segunda ex-trofe.

Dividir é gozo dos dois lados.

Vamos falar do serviço com os serviçais.

Doido viado doente falam.

Faço escutar sua voz.

Depende da cadeira o sentar no desenho dos outros.

Vão dar oficina de repetição montados nos ónibus país adentro.

Da arte os professores são HD`s.

Foi aprender com Picasso vomitou Franco.

Dorme em mim apenas o neto ouvindo estórias da vovó.

Vamos amansar cavalo de umbanda.

Depois de viver morre em letra.


Casa do povo não abriga os mendigos.

Deputado dá no meu jardim, e é arrancado a mão.


terça-feira, 30 de novembro de 2010

Abrí uma águia no capacete


Desencanar me foi pedido.

Não foi possível processar sua solicitação. Tente novamente. Está escrito ERRO. Em vermelho. E no amarelo o não.

Devo ter tocado na tecla entre com a seta no editar em Htm.

Eu poderia ter pedido que me lessem com muito cuidado para que pudessem desfrutar mais do que está sendo contado senta ou deita na posição mais confortável e pense será que desencanar me foi pedido quer dizer se queres que me desencanes é por cano ser alugado a outro esta solicitação seu tio Tatí todo o meu poder te contar te conto que um dia eu gostei de estar por saber da necessidade de estar as pessoas me queriam estando mas sei que sou de continuar um contínuo do ar continuo de qualquer lugar um dia continuamos o romance de qualquer um o giro a saída o pedalar o rodar treinar o tambor da tribo pede mais ritmo uma batida de fazer sangue correr mais rápido pra limpar nos separamos das frases no saber aqui as frases não são de graça cada erro uma tentativa de não dizer mas você sabe venha pro texto ele acaba de te convidar para outros toques estoques não acredite no bial pois apesar dele ser um grande amigo ele está sem tempo pro cinema está escrevendo e dirigindo ainda faz umas pontas de actor e ainda ganha bem e outras cosidas mais que permite explicação da palavra mecanizada por grupos de amigos que brincam de ser grupos de familiares artísticos trupe circense trupe filosófica trupe literária e trupe das trupes os nossos queridinhos vamos deixar de lado quando entrar aqui neste colóquio fique fora da colónia vou te dar um exemplo leia BR INFINITA brincando não com o autor brinque de ler por prazer de ler vou escrever bem escrito você tem que rir pois quem diz que vai escrever bem escrito já está te dizendo que não vai escrever bem escrito ou que só será bem escrito se você ajudar pegar na mão e unir suas vias das palmas com os meus cruzamentos de pedigree contacto o avião vai levantar e partimos Estou falando com você e no entanto não nos conhecemos nem vamos sentar sem saber a hora de ir embora e o romance precisa errar cenários errar profissões errar sentimentos errar época errar estilo o erro do romance é que você não entrou sentou e relaxou liga as orelhas abras bem os olhos sinta a tocada. Ela está com pele, ou sem carnagem?

karakter


Verdana, a foca virou cachorra. Ócio e cio tem um relógio japonês, ama lá al al.
Quando como carniça amanheço vomitando.
O planador alemão de fios DuPont ainda vai crescer mais as asas. Ler o instante Joyce, ou ler o instante Mishima? As grandes verdades estão de molho no colóquio. A era que cresce no meu muro, quer ser podada com qual espaço, de que tempo? Eu não blogo, tenho diário de Alice, qual vai ser o próximo susto de abrir mais os olhos(âmbar)? Quando sambo tem twist rali gali rock capoeira e uma quebrada de outras danças inesperadas. O passo tem giro de 360 sem ponto morto: souplesse;limberness... Um grampo no fio de outro para fugir do lugar comum, seria um gesto de piada de português?
Quando exclamação: é reclamação dos outros.

Uma ponte de exclamação?






segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Façam os seus desenhos na parede pública


Quantas vezes escreveram a palavra acreditando que iriam defini-la?

Dentro desta frase tem uma lembrança que nunca lembrarei!

Minha madrinha quando braba mandava: cheira aqui ó, no meu cu!

Com a caneta deram um tiro na laje e saíram correndo melados?

Meus papéis tramitam uma aposentodoria da palavra?

Quando pergunto avião passa tam gol passaredo...

Os homens sérios estão resolvendo com gatilhos!

Fica na frente dos tiros com seu microfone, e me empresta o carro.

Diria do morro se estivesse lá na tentativa entrevista?

Pois no molho das suas palavras a inquietação denúncia!

Se estes telhados continuassem calados gataríamos um S do miau?

Somos nós que fazemos as máscaras que seguram suas feiras!

Quando eu entrar com a mão na coisa nomeio-a.

Antes de sair frase ela percorre todo o meu corpo quente.

É deselegante escrever fora do ritmo da conversa?

Com raquete Wilson devolvo a bolinha para o outro lado do mundo.

Quantas páginas de bolinhas você já encheu?


domingo, 28 de novembro de 2010

Muito antes de Mountain Bike


Avatar tem um suporte que poderia sustentar mais roteiro de roteiro original mais nas imagens da floresta o desenho me agrada sem o rabo as gírias precisavam ser outras uma linguagem mais rápida e deixar as imagens falar não mostrá-las em aura-performance , mas algo me diz que este filme tem direcção na sustentabilidade e mesmo em guerra teremos a cor agem de fazer o que chamam de justiça ou sermos religiosos com a mamãe terra é uma gracinha o fedorento tirando algo do cu e são azuis não gostei dos cães faria galgos perfeitos com a velocidade de visão dos Whippets desviando em alta velocidade e a boca do Borzoi estrangulando os lobos o olhar Sloughi "Olhos - grandes, escuros, bem inseridos nas órbitas, por vezes cobertos por uma pálpebra com uma leve obliquidade. Expressão suave, um pouco triste, e olhar nostálgico. Com a pelagem clara, os olhos podem ser de cor âmbar. A rima das pálpebras são bem pigmentadas."(www.galgos.com.br) o parêntese é para as aspas assim iria escolhendo o melhor dos melhores cada um desenha com o que tem e monta em Da Vinci como montam em qualquer Rei Leonardo V (quinto) o suporte é fantástico acho que vou contar a minha histórinha nele. Chi...faltou bicicleta. E, tem cadeiras de rodas mais futurísticas que aquela, é só olhar na rede no google imagens: use a imaginação semântica.

sábado, 27 de novembro de 2010

Quem segue diário adia o seu Blog.


Você escreve macio em forma minhas conexões não tem pressa no ramificar éramos amigos dos alemães antes de ir lá caímos de bêbados deve ser difícil mesmo falar vai montar legião urbana em santa cataria o religioso de merda a líbia dizia que eu tenho cara de padre com as mãos estendidas sei que vocês não gostam de predicados é que o substantivo foi dar uma volta na história aí você acabou com a minha carreira os pássaros estão no Abre-asas-da-mata e não brincam de oriente ou se oriente rapaz ontem eu estava conversando com o Djalma Corrêa e lhe disse que quase gastei a faixa Tudo Madeira mostrando para todos lá fora ou aqui dentro mas mostrando Tudo Madeira sua resposta foi que aquilo era um Playback ele tocando em cima dele mesmo foram suas palavras que me chegaram e mandei um me remete em outra dimensão ele está morando no rio as pessoas falavam com ele enquanto improvisavam um cenário para um documentá rio mais um de uma hora fiz duas fotos com o celular do Eulélio depois na parte dos artistas eu posto vai ter esta parte também vou deixar o livro executado antes de levar pro Samuel mas o Djalma Corrêa está no tubo está em todas me disse que viaja muito foi bom encontrá-lo vou ouvir Tudo Madeira assim que Mister Wilson acordar não me preocupa mais os que vem ou que vão os que me levarão os que me deixarão é uma só reunião de filhos da puta terra e me querem no mingau.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Easy End-seal


Não vai ficar falando de todo mundo com todo mundo não estão afim de ouvir estrias eles viram uma e estão atrás desta uns até pegam outros se divertem enquanto correm e velhos com longos arquivos da velha história corre o risco de falar sozinho mas um sozinho para Brasil 219


Estados Unidos 17


Portugal 16


Alemanha 12


Holanda 10


França 4


Dinamarca 2


Equador 2


Geórgia 1


este mês que foi um mês baixo devido mudanças de na possibilidade de sair mais fazer mais e falar menos de uma coisa vossas majestades podem estar certas meu próximo livro vai ser um texto técnico e tudo indica que este será o título TÉCNICO mas para isto preciso me afastar do lerão lerão vem cá que eu também quero de vocês que me cansam com suas aproximações programadas suas agendas cumpridas extensas jornadas de bar papo de bar na politica papo de bar na segurança papo de bar na aventura papo de bar no esporte papo de bar na cultura papo de bar em tudo que conseguem cuspir algo que já foi cuspido repetem o que ouviram na maior cara de pau dá licença zé vai passar outro tom outro chico outra canção de choromingos vamos dizer que fulano fez melhor fulano de fora ou de dentro vamos contar o quanto nos divertíamos enquanto escapávamos.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Need Assistance?


O tropa de elite está bem divulgado.


A tropa de elite é partidária.


O topo da cadeia está vazio.


A tampa da câmara é de rosca.


O tempo do verbo partiu.


A torta de chocolate foi pra Áustria.


O túnel do Gentileza era viaduto?


A tropa ainda não comeu feijão hoje.


A televisão está ajudando o cinema.


Sem mais modelos vamos brincar de bang-bang.


Todos que aparecerem na telinha vão receber cache.


Vou na cidade comprar arsênico.


Gato no micro ondas tá saindo a dez reais o pf.


Convoquem o Al Pacino & o Robert De Niro!


Se voar em mim eu meto a mão.

Quem nasceu de um destes sabe que é assim mesmo

Nós Ciclistas olhamos assim e temos a cabeça oca atravessada por raio de luz somos tatuagens do asfalto torcemos mo viola pra ver o filme andar mais rápido que os nossos obturadores nossos bancos são os menores os mais leves e servem como leme segunda empunha dura para catapultar o coroão sem corrente na cara do assaltante recebe bem o ventre alongando as costas limite para o corpo deitado no tubo paralelo ao solo e comemos banana com casca e tudo evitando um prego de fome podemos esquecer a dor por uma chegada ante visão escapamos dos cães com jactos esguichados da caramanhola ou com a ponta do piston descendo directo do pedal na cara do vira lata ou sprint embalado algo desta máscara está nas máscaras dos ciclistas algo de dentro algo recto.

Tiro de letra trocado não tem troco?




Prezados colegas,


O Departamento de Polícia Legislativa informa que Robson está disponibilizando 4(quatro)vagas para o Curso de Tiro do Método Giro de aro 29. Essas vagas serão preferencialmente para os agentes que ainda não participaram do Método Giro de aro 29. O curso será na Escapada Nacional por Porta Federal, com data a confirmar. A aula inaugural será amanhã no Museu Nacional de Brasília às 8h.

Os interessados deverão responder a este post com urgência, ainda hoje.




A Diretor, ria!

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Respondo ao Núcleo de qualquer bomba


Comic Sans MS, aquele que pede ajuda tem
e depois coloca verme na sua vitamina
um jato de urina para este
outros virão e encontrarão o telhado de vidro
com o lance de olhos de jacaré
as linhas por todas as teias
sem saber onde está a aranha
que sem fome
deixa desembaraçar mais um fio
afastando lentamente do seu campo de força
aquele que queria estar perdido no espaço
mesmo depois do cachê do Dr. Smith
ser cobrado por este com toda a potência da palavra
uma pergunta
sua palavra me leva onde te move
por acaso tens aí entre suas ogivas
o elétron distraído pra dançar comigo?

Vamos subir?


É ironia
uma tesourinha no meu fio
onde coloco os dois pontos do Rosa? ensanguentei camisas brancas
o ar do cerrado me fez bem na longa distância
os médicos tem analogias nas suas estórias
antes das receitas misturei de tudo não é bom não é ruim
se tem vozes no Ulisses
ouço-as
ouço de novo antes da vertigem
depois dela pra não repetir
quer brincar de narrar
com quantos clichês se faz um clássico?
esta porra de interrogação parece a sombra do lampadinha
obrigado compadre lampião por fotografa la
e o professor pardal saiu com gepeto em busca do gato Félix
e o meu corpo pedindo mais velocidade nas veias
segurar um 160 por uma hora
uma dúzia de horizontes no meu studium
dizer que não quero ofender ninguém
nem tirei o porte de armas
tão pouco estou usando a de escritor
nem a de fotografo
a de artista é dada por qualquer um que nem desconfia o que é arte.
Isto é ironia?

terça-feira, 23 de novembro de 2010

... na cabeça é bom, quando para!


As pancadas do tambor pede tribo escritura o que bate cuida de vida elementos de uma outra ponta das esferas que pula do centro para outra extremidade superficial ar que tipo é este despregando palavras o avião passou longe uma cerra diz concreto entre dentes rombudos treeee meninos brincam com qualquer coisa ensaiam seus sólidos liquidificam palavras desalinham cobertores agora foi o periquito dando fama outro avião e estamos na carreirinha da frase educando os pulmões só assim podem soprar a maior flauta feita só pra mim em música das esferas as feras com suas presas e os de outros nutrientes com sua bio diversidade deixei o rapé lá em baixo cheirei Vick achei o rapé vou abrir vou cheirar e deixar Bizé no dentista dar meu rolé de hoje na cidade o comercial da capital enquanto as pastas dos projectos engordam outros porcos de outras paradas.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Vouziers


Um feito com modelo diferente mais resolvido os orifícios e a saúde da pele decisão no deitar ao pedalar moto-contínuo não ponto de encontro sim o encontro não marcado não romance sim o que fica porque fica o que embrutece porque embrutece perguntas e respostas do mesmo teste vida Jeannie Longo tenho a versão Brasileira ao meu lado em longevidade ainda não estudada que o doutor incluiria se fosse a mulher dele delongas técnicas deste país e dos outros melhores em menor medida mas ainda assim delongas técnicas qual é o meu modelo seu técnico filho de uma boa puta qual é o meu preconceito as raças e as famílias de raças da mesma família eu não discordo de você será que poderíamos sentar e falar tudo aquilo que realmente temos em imagens mostrar as figurinhas de voz grossa e fina os decalques de estampar perder tempo com quem não vai lhe dar promoção o pelotão que chega a Paris bebe em taça cristal a espumante bebida de quem atravessa mares, O pelotão bebeu Robic?

domingo, 21 de novembro de 2010

Pena que se trata apenas de um conceito.


A palavra distraída não ia com qualquer um
no seu quarto estava montada a biblioteca
seus clássicos capas duras
sua futura arrumação na profundidade de seus olhos azuis
plâncton pra alimentar Baleias Brancas
e um jogo de búzios na íris esquerda
marcava o compasso do que vai rolar
o que eu preciso fazer para montar a distraída
que no parlar manda de rua de armas de gangue ddd y
espanhola umas castanholas nada castas
nada de costas
nado de craw
sem o som é claro
pois tim fez tim tim no Rio
e aqui nesta espelunca Gim tá caro
vamos fazer uma caipirinha pró cê ascender
depois te transporto pro colo de madame satã
e ninguém vai te chamar de Gení
oh minha Lady Jane
imagens de corpos que não precisam do arquivo para torneá-los
moldar na estrada de 1903 até aqui
com primitivismo modernismo clássico surrealismo...
todas as escolas do saber sentar
a palavra hoje
dona Câmara,
é :
Tour de France.

sábado, 20 de novembro de 2010

Desenho com imagens do tubo de Eddy Merckx: Meet The Cannibal,


Ouço os cachorros grilados com outros cachorros uma cachorrada no espaço me agrada não vou pedir nem disco voador chupei uma laranja mecânica sua carne moída para a sua almôndega está no muro é só pegar um tijolo querem me enquadrar na maria da penha deixei o sesc de fotografia só volto ao museu só muros que nós construimos tem frames em movimento enquanto muro deixa ver filtro azul 7 e pequenininhos transparentes automáticos deixam passar nissan livina preta carregada de ciclistas e bicicletas a fundição de todas as nações todas as avenidas nossos desertos particulares deslizar com tripas negras no asfalto um mantra Chi em todos os sentidos da palavra Chi em todas as línguas Ado foi um bom goleiro que o leão comeu e a meninada desceu pro rio...